x

n.d.a.
Arnaldo Antunes
São Paulo: Iluminuras, 2010

Em n.d.a. são marcantes a busca pela síntese, o ritmo e a sonoridade, o movimento e a arte gráfica como elemento de significado.

Além de poemas inéditos, esta edição da Iluminuras traz uma seção de cartões postais concretistas e outra, a "Nada de DNA", que foi publicada em 2006 como parte da antologia Como é que chama o nome disso, da Publifolha.

ISBN 978-85-7321-319-5